A decisão do presidente da China que pode afetar todo o planeta

Mais de 70% das usinas a carvão do mundo dependem de fundos chineses, mas Xi Jinping anunciou na ONU que país deixará de participar da construção de usinas a carvão no exterior.

181

É uma decisão que pode causar impacto em todo o planeta.

O presidente da China, Xi Jinping, anunciou nesta semana, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, que seu país deixará de participar da construção de usinas a carvão no exterior.

“A China aumentará o apoio a outros países no desenvolvimento de energia verde e [de baixa emissão] de carbono e não construirá novos projetos de energia movidas a carvão no exterior”, disse o presidente em um vídeo pré-gravado.

A mudança pode prejudicar o desenvolvimento futuro do carvão no mundo: mais de 70% das usinas a carvão do mundo atualmente construídas dependem de fundos chineses, de acordo com dados do International Green Finance Institute, com sede em Pequim, divulgados pela Bloomberg.

Em 2020, o presidente chinês já havia anunciado que planejava tornar a China um país neutro em carbono até 2060. Em seu discurso na ONU na quarta-feira (22), prometeu acelerar os esforços nesse sentido.

“Isso requer um trabalho muito árduo e faremos todos os esforços para atingir esses objetivos”, enfatizou.

O compromisso da China surge a poucas semanas da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), que será realizada em novembro em Glasgow e que buscará ampliar os objetivos do Acordo de Paris sobre o Clima.

Reações

O anúncio da China ocorre após outras promessas semelhantes da Coreia do Sul e do Japão e depois de pressão da comunidade internacional.

A organização ambiental internacional 350.org disse, de acordo com a agência de notícias France Presse, que o anúncio de Xi foi “enorme” e que poderia significar uma “mudança radical”.

Este ano já havia sinais dessa virada: a China, que costumava financiar usinas movidas a carvão em outros países por meio de sua iniciativa Nova Rota da Seda, não financiou nenhuma nos primeiros seis meses do ano. Essa foi a primeira vez que isso aconteceu, segundo a agência Bloomberg.

“A promessa da China mostra que está sendo fechada a irrigação do financiamento público internacional para o carvão”, disse ela.

Manish Bapna, presidente do grupo de defesa ambiental Conselho de Defesa de Recursos Naturais (NRDC, na sigla em inglês), disse em um comunicado que este “é um grande passo à frente na longa marcha global em direção a um mundo mais saudável, seguro e próspero”.

“Ao cancelar planos de construir dezenas de usinas termelétricas a carvão, a China está tomando uma decisão forte em direção a um futuro mais limpo no exterior. Isso abre a porta para ambições climáticas mais ousadas da China e de outros países importantes, internamente e no exterior”.

Dúvidas

Apesar da boa recepção da mensagem de Xi, não está claro o que acontecerá com os projetos já em andamento ou já acordados.

Na verdade, em agosto, o governo chinês estava construindo novas usinas em mais de 60 locais em todo o país. Muitas regiões têm até mais de uma.

O enviado especial dos EUA sobre o clima, John Kerry, disse durante uma recente visita à China que construir mais usinas a carvão “representa um desafio significativo aos esforços mundiais para lidar com a crise climática”.

A China argumentou que tem o direito de fazer o que os países ocidentais fizeram no passado: liberar CO2 para desenvolver sua economia e reduzir a pobreza.

Como resultado desse consumo, as emissões de carbono do gigante asiático não são apenas enormes e crescentes, mas superam as de outros países.

As emissões por pessoa no país asiático são cerca de metade das dos Estados Unidos, mas sua enorme população de 1,4 bilhão e seu crescimento econômico explosivo colocaram a China à frente de qualquer outro país.

Os especialistas concordam que, se a China não fizer grandes reduções na liberação de poluentes no meio ambiente, o mundo não poderá vencer a luta contra as mudanças climáticas.

Outros anúncios

Enquanto isso, Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, prometeu dobrar o financiamento do país para os estados mais afetados pelas mudanças climáticas.

“Isso tornará os Estados Unidos um líder no financiamento público para o clima”, disse Biden em seu primeiro discurso como presidente dos EUA na Assembleia da ONU.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que estava “animado” por “importantes” anúncios da China e dos EUA, mas que muito mais é necessário para combater as mudanças climáticas.

De acordo com um relatório da ONU sobre as mudanças climáticas divulgado em agosto, as emissões contínuas de gases do efeito estufa podem romper um importante limite de temperatura em pouco mais de uma década.

Os autores também mostram que um aumento do nível do mar de cerca de dois metros até o final deste século “não pode ser descartado”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui