Atletas olímpicos da China pós-2000 brilham em Beijing 2022

Desde acender a pira olímpica até se destacar em seus esportes, os atletas da China pós-2000 começaram a ocupar o centro do palco em Beijing 2022.

253
Medalhista de ouro Gu Ailing durante a cerimônia de premiação do esqui freestyle feminino Big Air em 8 de fevereiro de 2022. (Ju Huanzong/ Xinhua)

Os melhores atletas estão ultrapassando os limites do que é fisicamente possível para estabelecer novos recordes nos Jogos Olímpicos, e a tocha está sempre sendo revezada deles para as gerações mais jovens.

A delegação chinesa conquistou até terça-feira (8) três medalhas de ouro e duas de prata nos Jogos Olímpicos de Inverno, entre as quais atletas nascidos após 2000 contribuíram com uma de ouro e duas de prata.

- Publicidade Patrocinada -

Pela primeira vez em uma competição olímpica masculina de snowboard, um triplo cortiça 1800 foi realizado com sucesso na segunda-feira (7), pelo snowboarder chinês Su Yiming, de 17 anos.

Com sua pontuação mais alta de 88,70 pontos, Su conquistou uma medalha de prata em sua estreia olímpica, também a primeira medalha olímpica de snowboard para a China. O jovem viu ainda seu sonho se tornar realidade quando subiu ao pódio com seus ídolos, os canadenses Max Parrot e Mark McMorris.

“Como amante de snowboard, não me preocupo muito com a pontuação. Em vez disso, presto mais atenção em fazer manobras mais emocionantes. O bom resultado vem disso”, disse Su.

O chinês Su Yiming compete durante a qualificação de snowboard masculino no Genting Snow Park em Zhangjiakou, província de Hebei, norte da China, em 6 de fevereiro de 2022. (Xue Yubin/Xinhua)

O mesmo pode ser dito de Gu Ailing, que conseguiu uma performance em 1620 que nunca havia tentado antes para ganhar o ouro no freeski big air feminino, tornando-se a primeira atleta chinesa a ser coroada em um esporte de neve em uma Olimpíada de Inverno.

Antes de sua última corrida na terça-feira, a jovem de 18 anos ficou em terceiro lugar, 5,25 pontos atrás da líder Tess Ledeux da França e 0,25 ponto atrás da segunda colocada Mathilde Gremaud da Suíça. Enquanto Gu poderia ter jogado com segurança e garantir um lugar no pódio, ela arriscou uma manobra que nunca havia realizado antes.

“Tomei uma decisão nos últimos cinco minutos. Na verdade, liguei para minha mãe após o segundo salto e ela disse: ‘Não faça isso. Você pode fazer mais 1440 para tentar conquistar uma medalha de prata'”, lembrou Gu. “Não estou competindo para vencer os outros corredores, não quero me sair melhor do que os outros, quero alcançar 100% do meu melhor”.

Quando Gu garantiu o primeiro lugar do pódio no Big Air Shougang, ela não saiu do local. Em vez disso, ela abraçou para confortar Ledeux, que perdeu o ouro por vacilar em sua terceira corrida.

“Quero dizer a ela que parte da medalha de ouro também pertence a ela”, disse Gu, acrescentando que foi a conclusão de Ledeux de 1620 em corridas anteriores que a inspirou a tentar a ousada manobra.

Gu Ailing da China (D) e Tess Ledeux da França se abraçam durante a final do big air de freeski feminino no Big Air Shougang em Beijing, 8 de fevereiro de 2022. (Xue Yuge/ Xinhua)

Como estreante na patinação de velocidade em pista curta, Li Wenlong patinou atrás de seus companheiros de equipe desde as eliminatórias até a final nas corridas de pista curta masculina de 1.000m como parte das táticas da equipe. Conquistar a prata no evento foi uma surpresa para ele.

“Mas também estou muito animado. A prata é apenas o começo. Vou continuar me empenhando e espero mudar a cor da medalha para ouro um dia”, acrescentou Li.

- Publicidade Patrocinada -

留言 DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui