Chanceleres da China e dos EUA discutem Taiwan e concordam em manter contato regular para esfriar tensões

Wang Yi e Antony Blinken se encontraram às margens de encontro G-20, em Roma; reunião é a primeiro desde troca de farpas em cúpula no início do ano

186
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e chanceler chinês, Wang Yi, durante encontro em Roma Foto: TIZIANA FABI / AFP

ROMA — O secretário de Estado americano, Antony Blinken, e o chanceler chinês, Wang Yi, concordaram neste domingo em manter contato regular para controlar as piores tensões bilaterais em décadas. A reunião, às margens do encontro do G-20, veio em meio ao aumento dos embates com relação a Taiwan nas últimas semanas, um dos pontos mais sensíveis da guerra fria sino-americana.

A reunião de mais de duas horas foi a primeira vez que Blinken e Wang se sentaram à mesa desde o encontro presencial no Alasca em março, marcado por uma troca mútua de acusações. De acordo com a agência Xinhua, o chanceler chinês defendeu comunicações para “administrar e controlar as diferenças entre os dois lados e resolver adequadamente problemas que venham a surgir, para facilitar a compreensão, eliminar dúvidas, evitar julgamentos equivocados e explorar a cooperação”.

Leia mais:Em meio a duelo de potências, associação de países asiáticos aprova ampliar parceria com a China

Os EUA, por sua vez, afirmaram que Blinken “reforçou a importância de manter abertas linhas de comunicação para administrar com responsabilidade a competição”. Ele disse ainda que os EUA e a China podem trabalhar juntos em assuntos como a Coreia do Norte, Mianmar, Irã, Afeganistão e as mudanças climáticas, apesar das divergências sobre direitos humanos e as políticas chinesas para Hong Kong e Taiwan.

Segundo os americanos, Blinken “deixou claro” que Washington se opõe a qualquer mudança unilateral no status quo da ilha, considerada uma província rebelde por Pequim. Wang, por sua vez, disse que os EUA são “coniventes” e “apoiam” o movimento pró-independência de Taipé.

Um manifestante protesta durante a cúpula do G-20, em Roma, na Itália Foto: YARA NARDI / REUTERS
Um manifestante protesta durante a cúpula do G-20, em Roma, na Itália Foto: YARA NARDI / REUTERS
O encontro dos líderes das maiores potências econômicas do mundo se tornou alvo de ativistas climáticos durante o primeiro dia de reuniões, em Roma Foto: YARA NARDI / REUTERS
O encontro dos líderes das maiores potências econômicas do mundo se tornou alvo de ativistas climáticos durante o primeiro dia de reuniões, em Roma Foto: YARA NARDI / REUTERS
Manifestantes defendem ações concretas dos dos líderes mundiais para frear o aquecimento global Foto: TIZIANA FABI / AFP
Manifestantes defendem ações concretas dos dos líderes mundiais para frear o aquecimento global Foto: TIZIANA FABI / AFP
Ativista do grupo Rebelião da Extinção rezaliza performance enquanto líderes mundiais se reúnem para discutor a economia global Foto: YARA NARDI / REUTERS
Ativista do grupo Rebelião da Extinção rezaliza performance enquanto líderes mundiais se reúnem para discutor a economia global Foto: YARA NARDI / REUTERS
Pessoas participam de um protesto contra o G-20, a cúpula de líderes mundiais Foto: TIZIANA FABI / AFP
Pessoas participam de um protesto contra o G-20, a cúpula de líderes mundiais Foto: TIZIANA FABI / AFP
Ativistas da organização Avaaz, sediada nos Estados Unidos, participam de um protesto contra o G-20 Foto: TIZIANA FABI / AFP
Ativistas da organização Avaaz, sediada nos Estados Unidos, participam de um protesto contra o G-20 Foto: TIZIANA FABI / AFP
Cartaz diz:
Cartaz diz: “Você não nos dá outra escolha” Foto: YARA NARDI / REUTERS
“Acordo COP26, onde está você?” questiona manifestante Foto: TIZIANA FABI / AFP
Apresentação do grupo Rebelião da Extinção, neste sábado, em Roma Foto: YARA NARDI / REUTERS
Apresentação do grupo Rebelião da Extinção, neste sábado, em Roma Foto: YARA NARDI / REUTERS
Manifestantes seguram uma bomba de fumaça durante um protesto contra o G-20 Foto: TIZIANA FABI / AFP
Manifestantes seguram uma bomba de fumaça durante um protesto contra o G-20 Foto: TIZIANA FABI / AFP
Um manifestante protesta durante a cúpula do G20 em Roma, Itália, 30 de outubro de 2021. REUTERS / Yara Nardi Foto: YARA NARDI / REUTERS
Um manifestante protesta durante a cúpula do G20 em Roma, Itália, 30 de outubro de 2021. REUTERS / Yara Nardi Foto: YARA NARDI / REUTERS
Pessoas marchando entre a Pirâmide de Céstio e o Circo Máximo, em Roma, exibindo um cartaz com a frase:
Pessoas marchando entre a Pirâmide de Céstio e o Circo Máximo, em Roma, exibindo um cartaz com a frase: “Não vou ficar parado olhando” Foto: ALBERTO PIZZOLI / AFP
Manifestantes foram às ruas da capital italiana para protestar contra líderes mundiais e reivindicar ações que reduzam os efeitos das mudanças climáticas no mundo Foto: YARA NARDI / REUTERS
Manifestantes foram às ruas da capital italiana para protestar contra líderes mundiais e reivindicar ações que reduzam os efeitos das mudanças climáticas no mundo Foto: YARA NARDI / REUTERS
Manifestantes protestam durante a cúpula do G-20 na Itália Foto: YARA NARDI / REUTERS
Manifestantes protestam durante a cúpula do G-20 na Itália Foto: YARA NARDI / REUTERS
“Pare de patentes, a vacina é um direito global, não há lucro na pandemia” diz cartaz carregado por manifestantes Foto: TIZIANA FABI / AFP

Os EUA não têm relação formal com Taiwan desde que retomaram seus laços diplomáticos com Pequim, em 1979. À época, contudo, o Congresso americano aprovou a Lei das Relações com Taiwan, que obriga o país a apoiar os esforços de autodefesa taiwaneses, inclusive com a venda de armas, e o Instituto Americano em Taipé funciona como uma embaixada de fato.

Não há, no entanto, uma obrigação de defesa, como é o caso com outros aliados americanos no Pacífico, como o Japão e a Coreia do Sul. Os EUA, propositalmente se recusam a dizer se auxiliariam ou não com uma intervenção militar em caso de ameaça chinesa — a ideia desta estratégia de “ambiguidade estratégica” é que a incerteza ajude a dissuadir Pequim de usar a força para reincorporar Taiwan ao controle do governo continental.

As tensões entre Pequim e Taipé se acirraram desde a eleição, na década passada, da presidente taiwanesa Tsai Ing-wen, que se opõe abertamente à reunificação com a China, meta do regime chinês desde que os comunistas ganharam a guerra civil, em 1949, e os nacionalistas fugiram para a ilha. Nas últimas semanas, o sobrevoo de caças chineses no espaço aéreo da ilha — oito apenas nesde domingo — tem sido um motivo particular de críticas taiwanesas.

Assunto ‘mais sensível’

Wang reiterou neste domingo que, para Pequim, a província é o assunto mais sensível da relação bilateral. Ele expressou ainda sua “preocupação solene com vários assuntos nos quais o lado americano prejudicou os direitos e interesses legítimos da China” e pediu que Washington “mude seu curso de ação e ponha as relações sino-americanas novamente no caminho para o desenvolvimento saudável”.

— Nós demandamos que os EUA busquem uma política real da China única, e não uma política falsa da China única — afirmou ele, segundo uma nota emitida por Pequim.

Por sua vez, nos EUA, com o aumento da competição com a China, a Casa Branca sofre pressão para mudar sua “ambiguidade estratégica”. Biden chegou a dizer no último dia 21 que defenderia Taiwan de um ataque chinês, sugerindo uma mudança na política, mas a declaração foi matizada posteriormente por seu porta-voz e por Blinken neste domingo.

De acordo com o diplomata, os EUA não mudarão seu posicionamento e seu “compromisso antigo” com a lei de 1979 para “garantir que Taiwan tem condições de se autodefender. E nós reafirmamos isso”:

— Queremos garantir que ninguém tome ações unilaterais que possam perturbar o status quo no que diz respeito a Taiwan. Isso não mudou — disse ele durante a reunião, que antecipa uma conferência virtual entre os presidentes Joe Biden e Xi Jinping ainda neste ano.

Embates: Em meio a tensão sobre Taiwan, Xi faz críticas veladas ao EUA ao celebrar 50 anos de Pequim na ONU

Mísseis hipersônicos

De acordo com a fonte do Departamento de Estado, contudo, Blinken e Wang não discutiram os mais recentes testes de mísseis de deslizamento hipersônicos — capazes de portar ogivas nucleares e mais difíceis de serem detectados pela defesa do inimigo — realizados por ambos os países nas últimas semanas.

Embora a China tenha negado seus testes, que foram noticiados pelo jornal britânico Financial Times, eles teriam provocado alarme nos EUA. A tecnologia, uma vez aperfeiçoada, em teoria poderia ser usada para lançar ogivas nucleares sobre o Polo Sul, desviando-se dos sistemas antimísseis americanos no Hemisfério Norte.

Para especialistas, a estratégia chinesa é de dissuasão. No caso de uma guerra entre os EUA e a China, estima-se que americanos teriam dificuldade para derrotar Pequim com forças convencionais, o que aumentaria a probabilidade do uso de armas nucleares.

Logo, o fato de Pequim poder lançar uma retaliação também atômica com menos chances de detecção dissuadiria Washington de usar esse tipo de armamento. (Com Bloomberg)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui