China adota lei para enfrentar sanções estrangeiras

Medida foi tomada para proteger empresas. Biden ampliou lista de companhias chinesas em que os EUA não podem investir

149

O Parlamento chinês adotou, nesta quinta-feira (10), uma lei para enfrentar as sanções estrangeiras, em um contexto de crescente pressão dos Estados Unidos e seus aliados diante de Pequim, informou a mídia estatal.

O governo do presidente americano Joe Biden ampliou na semana passada uma lista de empresas estrangeiras nas quais as empresas dos Estados Unidos não têm direito a investir, visando a segurança nacional.

Nela constam 59 empresas chinesas, acusadas de apoiarem as atividades militares de Pequim. Na lista anterior, eram 31.

A China lamentou a decisão e prometeu adotar medidas para “defender” suas empresas.

O Parlamento chinês, submetido ao poder do Partido Comunista, adotou em comissão uma lei contra as sanções estrangeiras, informou nesta quinta-feira a televisão nacional, sem dar mais detalhes.

A China reclama há muito tempo da aplicação extraterritorial do direito americano, mediante sanções e restrições comerciais.

Esta lei chinesa será “um poderoso meio de dissuasão […] contra os governos estrangeiros que tomariam sanções ilegais contra a China”, afirma o Global Times, um jornal de tom abertamente nacionalista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui