China critica inconsistência dos EUA na questão de Taiwan na reunião Yang-Sullivan

O atual governo dos EUA prometeu aderir à política de Uma Só China e não apoiar a "independência de Taiwan", mas suas ações são obviamente inconsistentes com suas declarações.

134

O principal diplomata da China, Yang Jiechi, se reuniu com o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, na capital italiana de Roma, na segunda-feira, elaborando a posição da China sobre a situação na Ucrânia e pedindo à comunidade internacional que apoie conjuntamente as negociações de paz Rússia-Ucrânia.

Os dois lados também tiveram discussões construtivas sobre as relações China-EUA e concordaram em implementar conjuntamente o consenso alcançado pelos dois chefes de Estado na administração das diferenças.

- Publicidade Patrocinada -

Embora alguns meios de comunicação dos EUA tenham descrito a reunião de 7 horas como intensa, cobrindo uma ampla gama de questões, incluindo a situação da Ucrânia e os laços China-EUA, a Casa Branca resumiu a reunião em uma leitura de 80 palavras. Alguns especialistas chineses disseram que, embora a reunião de alto nível entre altos funcionários chineses e norte-americanos tenha sido um sinal positivo para o mundo em um momento tão turbulento, há ainda grandes divergências entre os dois lados, principalmente em suas posições em relação à crise na Ucrânia.

Os dois lados concordam em implementar conjuntamente o consenso alcançado pelos dois chefes de Estado, aumentar o entendimento, gerenciar diferenças, expandir o consenso e fortalecer a cooperação, de modo a acumular condições para trazer as relações China-EUA de volta ao caminho de um desenvolvimento sólido e estável.

O alto diplomata chinês disse que o presidente Xi Jinping propôs o respeito mútuo, a coexistência pacífica e a cooperação ganha-ganha como os três princípios no desenvolvimento das relações China-EUA na nova era, a qual traçou o caminho para o desenvolvimento dos laços bilaterais. Yang disse que o presidente dos EUA, Joe Biden, respondeu dizendo que os EUA não buscam uma nova Guerra Fria ou mudar o sistema da China, nem se oporão à China por meio do fortalecimento de alianças, não apoiarão a “independência de Taiwan” ou buscarão o confronto com a China.

“Um grande consenso alcançado pela reunião de Yang com Sullivan foi continuar a comunicação sobre as questões de interesse mútuo e também controlar as principais divergências”, disse Li Haidong, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Relações Exteriores da China.

“Dada a leitura da Casa Branca, podemos ver que os EUA só se preocupam com as suas questões centrais, mas a China atribuiu muita atenção aos seus interesses centrais. Há uma grande divergência no fato dos EUA esperarem que a China resolva a crise na Ucrânia”, disse Li, observando que forçar Beijing a aceitar a posição dos EUA durante as negociações reflete a mentalidade de Washington.

A reunião durou pelo menos sete horas, segundo alguns relatos da mídia dos EUA, que também foi descrita como intensa, pois a posição da China sobre o conflito Rússia-Ucrânia foi colocada sob os holofotes. Um alto funcionário dos EUA foi citado em um relatório da Reuters na segunda-feira dizendo: “Temos profundas preocupações sobre o alinhamento da China com a Rússia neste momento, e o conselheiro de segurança nacional foi direto sobre essas preocupações e as possíveis implicações e consequências de certas ações”.

Todas as partes devem exercer a máxima contenção, proteger os civis e evitar uma crise humanitária em larga escala, disse Yang, acrescentando que a China forneceu assistência humanitária de emergência à Ucrânia e continuará seus esforços para esse fim.

Ele também enfatizou que a China se opõe firmemente a quaisquer palavras e ações que divulguem informações falsas, distorçam e difamem a posição da China.

Embora a questão da Ucrânia tenha sido uma prioridade para os EUA durante a reunião de terça-feira para pressionar a China a a tomar uma posição, parece que a tentativa não teve sucesso, disse Wu Xinbo, reitor do Instituto de Estudos Internacionais da Universidade Fudan, ao Global Times na terça-feira.

“Não apenas a posição da China permaneceu inalterada, mas também refutou rumores e informações falsas que os EUA estavam espalhando. Isso significa que o objetivo dos EUA para esta reunião falhou”, disse Wu.

Dentro das relações China-EUA, Yang enfatizou que a questão de Taiwan diz respeito à soberania e integridade territorial da China. O atual governo dos EUA prometeu aderir à política de Uma Só China e não apoiar a “independência de Taiwan”, mas suas ações são obviamente inconsistentes com suas declarações, disse ele.

Especialistas observaram que vale a pena notar que, quando Yang falou sobre as relações China-EUA, ele levantou particularmente a questão de Taiwan, pois após a eclosão do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, muitos meios de comunicação ocidentais têm exaltado a relevância da questão da Ucrânia com a questão de Taiwan, mas ambos são fundamentalmente diferentes.

“A questão de Taiwan é o principal interesse e preocupação da China, portanto, devemos enfatizar esse ponto para os EUA nesse momento. Isto também demonstra que a China está muito insatisfeita com as posições do governo Biden em relação à questão de Taiwan”, disse Wu. 

- Publicidade Patrocinada -

留言 DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui