China não criou coronavírus como arma biológica, diz relatório dos EUA

Estudo da Inteligência americana não descarta que o vírus tenha escapado acidentalmente do laboratório de Wuhan

221

O Escritório de Inteligência Nacional e o Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos divulgaram, na 6ª feira (29.out.2021), um relatório referente à origem do novo coronavírus. Embora os especialistas não tenham chegado a uma conclusão se o vírus nasceu naturalmente ou em laboratório, o estudo afirma que “a China não desenvolveu o SARS-CoV-2 como arma biológica”.

Continuamos céticos em relação às alegações de que o SARS-CoV-2 era uma arma biológica porque são sustentadas por alegações cientificamente inválidas, seus proponentes não têm acesso direto ao Instituto de Virologia de Wuhan (WIV) e são suspeitos de espalhar desinformação“, diz o documento das autoridades norte-americanas.

Políticos republicanos dos EUA espalharam a informação de que o coronavírus seria o resultado de um experimento para desenvolver uma arma biológica. A notícia falsa chegou até o Brasil e foi amplamente divulgada.

O relatório é resultado de um pedido do presidente dos EUA, Joe Biden. Em agosto, uma prévia das conclusões da pesquisa já havia sido divulgada. A versão com 17 páginas publicada na 6ª é o relatório completo e desclassificado, ou seja, que não é mais confidencial. Alguns métodos e descobertas, no entanto, permanecem em sigilo. Eis a íntegra do documento (1 MB).

O relatório mostrou que 4 agências da comunidade de inteligência avaliam que o vírus provavelmente passou de animais para humanos naturalmente.

Contudo, um ponto que eles têm “confiança moderada” é o de que a pandemia pode ter sido resultado de um acidente de laboratório, “provavelmente envolvendo experimentação, manipulação de animais ou amostragem” em Wuhan, onde o 1º surto da doença foi registrado.

Analistas dizem que há artigos acadêmicos de autoria de funcionários do WIV (Instituto de Virologia de Wuhan, na sigla em inglês), indicando que os cientistas chineses “conduziram pesquisas sobre outros coronavírus sob o que analistas consideram condições de biossegurança inadequadas, que poderiam ter levado a oportunidades para um incidente associado ao laboratório”.

Os analistas disseram acreditar que o “trabalho inerentemente arriscado dos pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan com coronavírus forneceu inúmeras oportunidades para eles se infectarem”, de acordo com o relatório.

É considerado “plausível que os pesquisadores possam ter se exposto involuntariamente ao vírus sem sequenciá-lo durante os experimentos ou atividades de amostragem, possivelmente resultando em infecção assintomática ou leve”, diz o estudo.

O relatório rejeita teorias que afirmam que uma característica genética específica do coronavírus que causa a covid-19 prova que o vírus foi criado em laboratório.

Não entendemos totalmente a diversidade dos coronavírus naturais ou com que frequência eles se recombinam, sugerindo que existem meios naturais plausíveis pelos quais essas características no SARS-CoV-2 poderiam ter surgido além do que entendemos atualmente”, declaram os especialistas.

Também segundo o documento, “as autoridades chinesas não tinham conhecimento do vírus antes do surto inicial”.

A BUSCA CONTINUA

O relatório diz que “não há indicações” de que o vírus que causa a covid-19 foi modificado no laboratório de Wuhan e essa conclusão não será possível sem a análise de mais dados.

Analistas que apoiam a teoria da origem natural dão peso à falta de conhecimento prévio das autoridades chinesas sobre o surto e ao fato de que outros surtos de doenças infecciosas ocorreram naturalmente.

Embora nenhuma fonte animal para a pandemia de covid-19 tenha sido identificada, em surtos de doenças anteriores, “a identificação de fontes animais levou anos e, em alguns casos, as fontes animais não foram identificadas”, afirma o estudo.

Os cientistas estadunidenses afirmam que a cooperação ineficiente de Pequim faz com que “persistentes lacunas de informação” sobre as origens da pandemia permaneçam.

A comunidade científica global não sabe exatamente onde, quando ou como ocorreu a 1ª infecção humana” com o coronavírus, conclui o relatório.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui