China reage a fala de Biden e diz que não há espaço para concessões em Taiwan

Presidente americano disse que EUA estão comprometidos com defesa da ilha em caso de ofensiva de Pequim

163
Bandeiras da República Popular da China e República da China

A China reagiu nesta sexta-feira (22) à fala do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e reafirmou sua posição histórica de alegada soberania sobre Taiwan. Segundo a diplomacia de Pequim, não há espaço para compromissos ou concessões em relação à ilha que o regime considera uma província rebelde.

A fala do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, é uma resposta à declaração de Biden de que os EUA estão comprometidos em defender Taiwan em caso de eventual ofensiva chinesa.

“Quando se trata de questões relacionadas à soberania e integridade territorial da China e outros interesses fundamentais, não há espaço para fazer compromissos ou concessões”, afirmou Wang, durante entrevista coletiva em Pequim.

“E ninguém deve subestimar a forte determinação, firme vontade e grande capacidade do povo chinês de defender a soberania nacional e a integridade territorial”, acrescentou o porta-voz.

Em meio às tensões entre EUA e China, que travam uma espécie de Guerra Fria 2.0, a fala do presidente americano ocorreu durante um evento chamado de “town hall” transmitido pela CNN americana, em que o democrata respondeu a perguntas da plateia.

Além de afirmar o compromisso de Washington em defender Taiwan, Biden usou um discurso de demonstração de força. Segundo o democrata, as pessoas não deveriam se preocupar com a força militar americana porque “China, Rússia e o resto do mundo” sabem que os EUA são “os militares mais poderosos da história mundial”.

“Algo com o que vocês têm que se preocupar é se eles vão ou não se engajar em atividades que os colocariam em uma posição na qual eles possam cometer um erro grave”, continuou o presidente.

Biden ainda tentou contornar o assunto dizendo não querer “uma guerra fria” com Pequim, mas, como a diplomacia chinesa faria em seguida, reafirmou uma posição irredutível de Washington. “Apenas quero que a China entenda que não vamos recuar, não vamos mudar nenhuma de nossas visões.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui