Itamaraty divulga 1ª nota sobre atentado a Consulado da China duas semanas após ataque

Ministério chefiado por Carlos França manteve silêncio após homem lançar bomba contra órgão no Rio

122
Momento em que homem lança explosivo contra Consulado da China no Rio

Duas semanas após um ataque a bomba contra o Consulado-Geral da China no Rio, o Itamaraty divulgou nesta quinta-feira (30) a primeira nota pública sobre o episódio, afirmando que “todos os esforços serão empregados para elucidar o caso e levar o responsável ou responsáveis à Justiça, e também para proteger a segurança do corpo diplomático e consular acreditado no Brasil.”

O órgão, chefiado pelo ministro Carlos França, demorou 14 dias para comentar o caso, que aconteceu no último dia 16, quando um homem lançou um explosivo contra a representação chinesa na capital fluminense. Não houve feridos, segundo a polícia.

O ministério afirmou que “recebeu com satisfação a informação do Departamento de Polícia da Capital do Rio de Janeiro de que as investigações sobre o atentado cometido contra o Consulado-Geral da China naquela cidade estão sendo conduzidas com celeridade e presteza”.

Folha questionou nesta semana a Polícia Civil do Rio sobre o andamento das investigações, mas não obteve resposta.

Na quarta (29), questionado pela Folha, o consulado chinês disse que a polícia informou que “está apressando a investigação do caso.” O órgão pediu “investigação minuciosa sobre o ataque, a punição do culpado nos termos da lei e medidas cabíveis para evitar que incidentes similares voltem a ocorrer”.

Segundo o consulado, embora não tenha se manifestado publicamente, o Itamaraty afirmou às autoridades chinesas que estava “fazendo empenho junto com os departamentos responsáveis para reforçar medidas de segurança do Consulado-Geral da China, bem como para acompanhar o andamento das investigações, com vistas a comunicá-las.”

O ataque foi registrado em vídeo por câmeras de segurança de prédios vizinhos, que mostraram o momento em que um homem vestido de preto, com boné e máscara, mexe no artefato e retira algo que parece ser um pino antes de lançar o explosivo.

O atentado ocorre em meio à escalada da tensão política e à resistência de figuras próximas do presidente Jair Bolsonaro com o maior parceiro comercial do país. Seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado federal, e os ex-ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Abraham Weintraub (Educação), já fizeram manifestações públicas anti-China que causaram embaraços diplomáticos. Entre eles, culpar o país pela pandemia da Covid-19 ou fazer piada com o sotaque de chineses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui