EUA acusados de ‘coagir politicamente’ empresas multinacionais

O uso de questões relacionadas com Xinjiang como pretexto esculpa para forçar empresas multinacionais a escolher entre a China e os Estados Unidos é uma coerção política total, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês na quinta-feira.

83
Tadashi Yanai, fundador da gigante varejista de roupas do Japão Uniqlo

Tadashi Yanai, fundador da gigante varejista de roupas do Japão Uniqlo, disse que sua empresa se recusou a comentar se a Uniqlo usa algodão proveniente da Região Autônoma Uigur de Xinjiang, já que queria ser neutro entre a China e os Estados Unidos. Ele disse que a abordagem dos EUA é forçar as empresas a mostrarem sua lealdade, e a Uniqlo não entrará nesse jogo.

Em resposta, o porta-voz Wang Wenbin disse em uma coletiva de imprensa que os Estados Unidos haviam repetidamente levantado rumores e problemas em questões relacionadas a Xinjiang. Em essência, está tentando conter o desenvolvimento da China e minar a prosperidade e a estabilidade em Xinjiang.

Forçar as empresas multinacionais a tomar partido e mostrar fidelidade aos Estados Unidos é coerção política contra as regras de mercado e a ética empresarial, disse Wang. “Isso não só prejudicará os interesses e a credibilidade nacional dos EUA, mas também prejudicará a estabilidade das cadeias de abastecimento e interromperá a ordem do comércio internacional.”

“O algodão de Xinjiang é de alta qualidade, e as pessoas em Xinjiang são trabalhadoras e capazes. Acreditamos que mais e mais empresas podem distinguir o certo do errado, livrar-se de interrupções políticas e tomar decisões de negócios de forma independente”, acrescentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui