Imprensa internacional ridiculariza desfile: “República de Banana”

Com ironia e comentários sobre o desespero do governo para se manter no poder, a imprensa internacional repercutiu nesta terça-feira o desfile militar organizado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

211

O jornal britânico The Guardian citou como críticos qualificaram o ato de “desfile de República de Bananas”, enquanto chegou a ironizar o fato de que imagens de desfiles na China foram usados por aliados do presidente para marcar a data, adicionando um “sentido de absurdo” ao evento.

O jornal e outros pelo mundo destacaram como um ato durou “apenas dez muitos” e contou com tanques que soltavam fumaça. O Guardian também cita a baixa presença de apoiadores e indicou como críticos classificaram o evento de “fiasco”.

Já o jornal francês Le Monde destacou que o desfile era “inédito” nos 30 anos da democracia brasileira. Mas explicou como Bolsonaro vive uma queda de popularidade, diante da morte de 564 mil pessoas no Brasil por conta da pandemia da covid-19. “As pesquisas preveem uma grande derrota contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, indicou o jornal, sobre um possível confronto em 2022.

O jornal de referência na França ainda cita como, no Brasil, há um temor de um “cenário a la Trump”, numa situação de um presidente que se recusa a deixar o poder. “Bolsonaro, que sabe que as instituições de Brasília são mais frágeis que as de Washington, não faz nada para dar garantias: «Se não tivermos voto impresso em 2022, teremos um problema pior que nos EUA”, disse, em janeiro.

Em Portugal, na Bélgica, Canadá ou EUA, a imprensa também fez uma relação entre o desfile e a situação pouco confortável de Bolsonaro nas eleições de 2022. Na Espanha, a agência pública EFE chamou o ato de “inusual”.

Entre os governos estrangeiros, a reação foi a de não menosprezar a importância do gesto do presidente. O temor de parte da comunidade internacional é de que isso seja simbólico do comportamento de Bolsonaro e uma tensão que poderia levar a uma instabilidade política inédita.

Para diplomatas estrangeiros ouvidos pela coluna, o ato deixa o presidente – e de certa forma o Brasil – ainda mais isolado. “Hoje, sair em uma foto com Bolsonaro é comprometedor para muitos líderes pelo mundo”, admitiu um negociador europeu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui