Moscou e Kiyv são bem-vindas à cúpula do G20

Joko Widodo, presidente indonésio e atual presidente do G20, convidou o presidente russo, Vladimir Putin, a participar da cúpula, que será realizada na ilha de Bali. Princípio de neutralidade e não alinhamento orienta a política da Indonésia, dizem especialistas.

227
- 广告 Publicidade -

Os esforços da Indonésia para incluir a Rússia e a Ucrânia na cúpula do G20 de novembro, apesar da pressão das nações ocidentais para excluir a Rússia, refletem o compromisso declarado do país com a neutralidade e o não alinhamento, dizem especialistas.

Joko Widodo, presidente indonésio e atual presidente do G20, bloco formado por 20 das maiores economias desenvolvidas e em desenvolvimento do mundo, convidou o presidente russo, Vladimir Putin, a participar da cúpula, que será realizada na ilha de Bali.

- Publicidade Patrocinada -

Os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá pediram a Widodo que impeça Putin de participar na cúpula devido ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia. No entanto, os países membros do G20, incluindo Argentina, Brasil e China, se opuseram a esse apelo.

Widodo disse em comunicado no mês passado que “a Indonésia quer unir o G20, não deixar que haja fraturas”. Ele disse que a paz e a estabilidade são fundamentais para a recuperação e desenvolvimento da economia mundial.

O líder indonésio convidou também Volodymyr Zelensky, o presidente ucraniano, para a cúpula. A Ucrânia não é membro do G20, mas, enquanto anfitriã, a Indonésia pode emitir o convite.

Ao receber a Rússia e a Ucrânia na cúpula, a Indonésia está “fazendo uma aposta ousada”, disse Thitinan Pongsudhirak, professor e diretor do Instituto de Segurança e Estudos Internacionais da Universidade Chulalongkorn, em Banguecoque, em entrevista. “Convidar um sem o outro é inaceitável.”

Thitinan disse que, ao convidar Putin e Zelensky, a Indonésia poderia “tomar uma posição de moralidade e (apresentar) … uma plataforma para os dois lados estarem na mesma mesa”, embora o G20 seja uma plataforma para discutir a economia e o desenvolvimento.

Embora não se possa prever como será a situação em novembro no que diz respeito ao conflito Rússia-Ucrânia, “o movimento indonésio toma a iniciativa”, disse ele.

Thitinan disse que havia uma “chance externa” de que a Indonésia pudesse servir como mediadora, observando que “este seria o resultado ideal para a Indonésia, mantendo o G20 com sucesso com um papel de mediador global” no conflito Rússia-Ucrânia.

Ian Wilson, professor sênior de política na Universidade Murdoch da Austrália, tem uma visão menos otimista. Ele disse que o convite da Indonésia para a Ucrânia pode servir como uma “abertura simbólica”, acrescentando que a imparcialidade e a postura neutra da Indonésia refletem o princípio de não interferência da Associação das Nações do Sudeste Asiático.

A política externa da Indonésia está ancorada no princípio “bebas dan aktif”, uma frase indonésia que se traduz em “independente e ativo”, dizem os especialistas. A nação é independente e não ficará do lado de nenhuma potência mundial. Ao mesmo tempo, a Indonésia não é um estado passivo e visa contribuir ativamente para a solução de questões globais prementes.

O Ministério das Relações Exteriores do país disse que manter a presidência rotativa do G20 ajudará a Indonésia a “ganhar credibilidade ou confiança global na liderança dos esforços de recuperação global (após a pandemia). A credibilidade é um capital inestimável na diplomacia e na política externa”.

A Indonésia esteve entre os países membros da ASEAN que votaram a favor da resolução da Assembleia Geral da ONU, exigindo que a Rússia “retirasse imediata, completa e incondicionalmente” suas forças militares da Ucrânia. No entanto, rejeitou o movimento dos países ocidentais de impor sanções unilaterais contra a Rússia.

Yohanes Sulaiman, professor de relações internacionais da Universitas Jenderal Achmad Yani em Bandung, disse que é improvável que a Indonésia sucumba a qualquer pressão para revogar o convite a Putin para a cúpula do G20.

Yohanes disse que a Indonésia precisa proteger seu relacionamento com a Rússia, já que Moscou é uma importante fonte de investimentos e armas militares.

Ele disse que também há pressão doméstica sobre Widodo para rejeitar a exigência dos países ocidentais de excluir Putin do G20. Qualquer decisão contrária seria vista como fraqueza e cedência às demandas ocidentais, disse Yohanes.

A adesão da Indonésia a uma política externa independente e ativa tem sido evidente desde 1955, quando o então presidente indonésio Sukarno convocou a Conferência de Bandung. A conferência, que contou com a presença de líderes asiáticos e africanos, terminou com a resolução de manter a neutralidade na Guerra Fria e levou à formação do Movimento dos Não-Alinhados, em 1961. Até hoje, o princípio do não-alinhamento continua a guiar a política externa da Indonésia.

- Publicidade Patrocinada -

留言 DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui