Mundo enfrenta maior crise de custo de vida em uma geração, diz relatório da ONU

423
- 广告 Publicidade -

O mundo está enfrentando uma crise de custo de vida nunca vista em pelo menos uma geração, em parte devido ao conflito na Ucrânia, segundo um relatório da ONU na quarta-feira.

“A maior crise de custo de vida do século 21 ocorreu quando as pessoas e os países têm uma capacidade limitada de lidar com isso”, afirmou o segundo relatório do Grupo Global de Resposta a Crises sobre Alimentos, Energia e Finanças sobre o conflito na Ucrânia.

- Publicidade Patrocinada -

O conflito na Ucrânia colocou as pessoas em uma posição difícil. O pilar são os graves choques de preços nos mercados de alimentos, energia e fertilizantes, dada a centralidade da Rússia e da Ucrânia nesses mercados. O difícil é o contexto extremamente frágil em que essa crise aconteceu, um mundo enfrentando as crises em cascata de COVID-19 e das mudanças climáticas, afirmou.

“Um choque dessa magnitude teria sido um desafio significativo, não importa o momento. Agora, é de proporções históricas que definem um século”, segundo o relatório.

O índice de preços de alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação está em níveis quase recorde e 20,8 por cento mais alto do que no mesmo período do ano passado. A volatilidade do mercado de energia aumentou com o reconhecimento de que um conflito prolongado levará a preços de energia mais altos no médio e longo prazo. O petróleo bruto atingiu agora mais de 120 dólares americanos por barril e os preços da energia em geral devem subir 50 por cento em 2022 em relação a 2021. Os preços dos fertilizantes são mais que o dobro da média de 2000-2020. Os custos do transporte marítimo são mais do que o triplo da média pré-pandemia devido aos efeitos persistentes de COVID-19 e à destruição da infraestrutura de transporte da Ucrânia, bem como maior volume de atrasos relacionados ao tráfego e congestionamento e outros fatores, como aumento custos de combustível, afirmou o relatório.

O aumento das taxas de juros e a crescente incerteza dos investidores corroeram o valor das moedas dos países em desenvolvimento, bem como sua capacidade de tomar empréstimos em mercados estrangeiros, afirmou.

“A maior preocupação são os ciclos viciosos que começam a surgir ao longo dos canais de transmissão da crise”, afirmou o relatório.

Os preços mais altos da energia, especialmente diesel e gás natural, aumentam os custos de fertilizantes e transporte. Ambos os fatores aumentam os custos de produção de alimentos. Isso leva a rendimentos agrícolas reduzidos e a preços ainda mais altos dos alimentos na próxima temporada. Estes, por sua vez, somam-se às métricas de inflação, contribuindo para o que já vinha aumentando as pressões sobre as taxas de juros e piorando as condições financeiras. Condições financeiras mais apertadas tiram o poder de compra das moedas dos países em desenvolvimento, aumentando ainda mais os custos de importação de alimentos e energia, reduzindo o espaço fiscal e aumentando os custos do serviço da dívida, afirmou.

Os ciclos viciosos criados por uma crise de custo de vida também podem desencadear instabilidade social e política, alertou o relatório.

Para quebrar os ciclos viciosos que alimentam e aceleram essa crise de custo de vida, são necessárias duas abordagens amplas: mitigar os impactos do choque e aumentar a capacidade de pessoas e países de lidar com a situação, afirmou.

Para mitigar os impactos da crise, os mercados devem se tornar mais estáveis ​​e os preços da dívida e das commodities devem ser estabilizados. Isso é fundamental para restaurar imediatamente a disponibilidade de alimentos para todas as pessoas e todos os países com suprimentos equitativos e adequados a preços acessíveis.

Uma solução eficaz para a crise alimentar não pode ser encontrada sem fazer uma nova integração da produção de alimentos na Ucrânia, bem como alimentos e fertilizantes produzidos na Rússia, nos mercados globais. Outras iniciativas incluem continuar liberando estoques estratégicos de alimentos e energia nos mercados, controlar o entesouramento e outros comportamentos especulativos, evitar restrições comerciais desnecessárias e comprometer-se com o aumento da eficiência no uso de energia e fertilizantes nos países desenvolvidos, diz o relatório.

Para aumentar a capacidade de enfrentamento das pessoas e dos países, os sistemas de proteção social e as redes de segurança devem ser ampliados e o espaço fiscal deve ser aumentado, afirmou.

As medidas de proteção social e o espaço fiscal estão, de fato, ligados. Os países precisam de apoio das instituições financeiras para aumentar seu espaço fiscal para, por sua vez, aumentar os gastos com proteção social, incluindo transferências de dinheiro para os mais vulneráveis. A comunidade internacional precisa ajudar os países a proteger seus menos favorecidos e vulneráveis, afirmou.

Não há resposta para a crise do custo de vida sem uma resposta à crise das finanças nos países em desenvolvimento, disse o relatório.

Os mecanismos de financiamento internacional atuais para apoiar respostas fiscais nacionais fortes precisam ser totalmente financiados e operacionalizados rapidamente. Os bancos multilaterais de desenvolvimento devem ser capitalizados e aplicar índices de empréstimos mais flexíveis.

A arquitetura da dívida global não está preparada para enfrentar a crise atual, que chega em um momento de níveis recordes de dívida e taxas de juros em alta. As atuais condições monetárias mais apertadas aumentam o risco de uma crise sistêmica da dívida, segundo o relatório.

A Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida do Grupo dos 20 deve ser renovada e os vencimentos devem ser adiados em dois a cinco anos. O Quadro Comum para o Tratamento da Dívida precisa de ser melhorado. Uma abordagem sistemática para a reestruturação e alívio da dívida multilateral, que inclui países vulneráveis ​​de renda média, também deve ser buscada para garantir soluções de longo prazo para os desafios atuais, afirmou.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu ação imediata. “A mensagem do relatório de hoje é clara e insistente, devemos agir agora para salvar vidas e meios de subsistência nos próximos meses e anos. Serão necessárias ações globais para corrigir essa crise mundial. Precisamos começar agora”.

A secretária-geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Rebeca Grynspan, membro do Comitê Gestor do Grupo Global de Resposta a Crises, que lançou o relatório junto com Guterres, também enfatizou a urgência do assunto.

“Estamos em uma corrida contra o tempo. É por isso que pedimos ação. Lidar com as consequências da falta de ação, garanto que será muito mais caro para todos do que agir agora”, disse ela.

- Publicidade Patrocinada -

留言 DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui