Onda de Omicron atingirá não vacinados na Europa, diz diretor regional da OMS

66
O diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Europa, Hans Kluge, participa de uma coletiva de imprensa conjunta em Atenas, Grécia, em 15 de abril de 2021. [Foto/Xinhua]

O diretor regional europeu da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge, alertou na terça-feira (11) que a variante Omicron pode se tornar mais prevalente na Europa à medida que a “onda” de infeções se espalha para o leste.

“Também estou profundamente preocupado com o fato de que, à medida que a variante se move para o leste, ainda temos que ver seu impacto total em países onde os níveis de vacinação são mais baixos. Veremos doenças mais graves nos não vacinados”, disse Kluge.

Segundo ele, a variante Omicron, agora se espalhando pelos Bálcãs, já está presente em 50 dos 53 países da Europa e Ásia Central.

“Neste ritmo, o Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde (IHME, na sigla em inglês) prevê que mais de 50% da população da região será infetada com Omicron nas próximas 6 a 8 semanas”, disse Kluge.

Kluge disse que as hospitalizações estão aumentando devido à escala sem precedentes de transmissões na região.

Para gerenciar melhor o impacto destrutivo do coronavírus nos serviços de saúde, economias e sociedades, Kluge pediu ações práticas, incluindo agir imediatamente e planejar contingências e priorizar sistemas de resposta durante o “fechar da janela de oportunidade”.

Ele também enfatizou a importância de proteger os vulneráveis e “minimizar a interrupção dos sistemas de saúde e serviços essenciais”.

O funcionário da OMS também pediu que as escolas permaneçam abertas.

“Manter as escolas abertas beneficia significativamente o bem-estar mental, social e educacional das crianças. Os prédios escolares devem ser os últimos a fechar e os primeiros a reabrir”, afirmou Kluge.

Além disso, Kluge delineou seus cinco mantras estabilizadores de pandemia: vacinação, terceiras doses ou reforços, aumento do uso de máscaras, ventilação de espaços lotados ou fechados e o uso contínuo de novos protocolos clínicos para orientar a resposta ao Delta ou Omicron.

E a OMS Europa também disse que está “longe” de tratar a Covid-19 como endêmica.

“Ainda estamos longe. A endemicidade pressupõe, em primeiro lugar, uma circulação estável do vírus em níveis previsíveis e ondas potencialmente conhecidas e transmissão epidêmica previsível”, disse Catherine Smallwood, oficial sênior de serviços de emergência da OMS Europa, quando questionada sobre o parecer sobre o recente pedido da Espanha à União Europeia para discutir a possibilidade da doença ser classificada como endêmica, semelhante à gripe ou à malária, que está sempre presente em uma determinada população ou região.

“O que estamos vendo no momento em 2022 não chega nem perto disso…Ainda temos um vírus que está evoluindo muito rapidamente e apresentando novos desafios… e ainda há muita imprevisibilidade”, disse ela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui