ONU pede que países não expulsem refugiados do Afeganistão

Alto Comissariado afirma que afegãos enfrentam 'risco iminente' em seu país sob o novo regime talibã

228

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) pediu nesta terça-feira (17) a proibição das expulsões de cidadãos afegãos para seu país de origem, inclusive daqueles que tiveram o pedido de asilo previamente rejeitado.

Ao mesmo tempo, o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos pediu à comunidade internacional que ofereça todo apoio aos afegãos que enfrentam “risco iminente” em seu país, sob o novo regime talibã.

“Devido à rápida deterioração da situação em termos de segurança e de direitos humanos em grandes partes do país, além da situação de emergência humanitária, o Acnur pede aos Estados que acabem com os retornos forçados de cidadãos afegãos, mesmo que tenha sido previamente determinado que eles não requerem proteção internacional”, declarou a porta-voz Shabia Mantoo durante uma entrevista coletiva em Genebra.

“Desde o início do ano, mais de 550 mil afegãos foram deslocados dentro do país, devido ao conflito e à insegurança”, destacou Mantoo.

Após uma rápida ofensiva, os talibãs assumiram o controle de Cabul no domingo (15), o que significou seu retorno ao poder no Afeganistão depois de 20 anos.

A volta dos talibãs provocou cenas de caos e de pânico no domingo e segunda-feira (16), especialmente no aeroporto de Cabul, para onde seguiram milhares de pessoas, desesperadas para sair do país.

“O medo que tomou conta de grande parte da população é profundo e, levando-se em consideração o passado, totalmente compreensível”, disse o porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, Rupert Colville, que estava ao lado de Mantoo.

As promessas dos talibãs de anistia geral para os funcionários públicos e de respeitar os direitos das mulheres “devem ser cumpridas. No momento, estas declarações foram recebidas com certo ceticismo” declarou Colville.

O anúncio talibã foi feito mais cedo nesta terça.

“Uma anistia geral foi decretada para todos (…), portanto, devem retomar sua vida cotidiana com total confiança”, declararam os talibãs em um comunicado.

Desde que tomaram a capital do país no domingo, após uma ofensiva relâmpago que permitiu o controle de quase todo território em apenas dez dias e provocou a fuga do presidente Ashraf Ghani, os talibãs multiplicam gestos que pretendem ser tranquilizadores.

Isso não tranquiliza os moradores de Cabul, sobretudo, as mulheres. Com medo, a maioria não se arrisca a sair às ruas.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) calcula que mais de 18 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária no Afeganistão, incluindo 10 milhões de crianças.

“O Unicef precisa de acesso a todas estas pessoas e obter garantias em termos de segurança para os trabalhadores humanitários”, afirmou o diretor de operações do Fundo no Afeganistão, Mustapha Ben Messaoud.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui