Para conter Rússia e China, Senado dos EUA aprova US$ 778 bilhões para gastos militares

Lei foi aprovada nesta quarta-feira e será enviada para sanção do presidente Joe Biden

103

O Senado dos EUA aprovou nesta quarta-feira (15) a versão final do projeto para gastos com a defesa em 2022. O documento será enviado para sanção do presidente Joe Biden.

A Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA, na sigla em inglês) custará US$ 778 bilhões (cerca de R$ 4,43 trilhões) aos cofres norte-americanos, escreve o Wall Street Journal.

A votação foi 89 a dez, com forte apoio de democratas e republicanos para a legislação que autoriza o financiamento e define as políticas para o Departamento de Defesa.

Ao autorizar o NDAA de 2022 no valor de US$ 778 bilhões (cerca de R$ 4,43 trilhões), o Senado requisitou US$ 25 bilhões (cerca de R$ 142,5 bilhões) a mais do que Biden previra, e cerca de 5% a mais do que o orçamento do ano passado.

A lei não inclui sanções contra a dívida soberana russa ou sanções contra o gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2) da Rússia, apesar das tentativas dos legisladores de adicioná-las.

O gasoduto Nord Stream 2, projetado para fornecer gás russo diretamente à Europa Central, gerou um acalorado debate entre parlamentares dos EUA.

Alguns alegaram que Moscou usará o gasoduto para minar a segurança energética da Europa, enquanto a Alemanha argumentou que sua segurança energética não preocupa Washington.

A Rússia, por sua vez, tem enfatizado repetidamente que o projeto Nord Stream 2 é puramente econômico e não deve ser politizado.

Apesar de não atingir o projeto do gasoduto, a legislação autoriza US$ 4 bilhões (cerca de R$ 22,8 bilhões) para a Iniciativa Europeia de Dissuasão, e US$ 300 milhões (R$ 1,7 bilhão) para a Iniciativa de Assistência à Segurança da Ucrânia, que fornece apoio às forças armadas ucranianas, além de US$ 150 milhões (R$ 855,4 milhões) para a cooperação de segurança no Báltico.

Para conter a China

O NDAA destina US$ 7,1 bilhões (R$ 40,4 bilhões) para operações na região do Indo-Pacífico, cujo objetivo é fortalecer os Estados Unidos contra a China para a Iniciativa de Dissuasão do Pacífico.

O documento instrui Biden a desenvolver uma estratégia específica contra a China, e também instrui o Departamento de Defesa a reunir relatórios sobre as atividades do governo chinês, que vão desde tecnologias de modernização a desenvolvimentos de segurança e militares.

A nova legislação também inclui a proibição de o Departamento de Defesa adquirir produtos feitos com trabalho da região de Xinjiang.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui