Presidente da Finlândia vai ligar para Putin após decisão de ingressar na OTAN

Kremlin disse que a adesão da Finlândia à Otan seria uma ameaça para a Rússia e que a expansão do bloco militar liderado pelos EUA para o leste está minando a segurança na região

202

O presidente finlandês Sauli Niinistö supostamente planeja ligar para seu colega russo, Vladimir Putin, para discutir a mudança na situação de segurança na região, agora que os líderes em Helsinque decidiram se juntar à OTAN.

Niinistö comentou sobre seu plano de contato com Putin em entrevista à agência de notícias TT da Suécia na sexta-feira, um dia depois de emitir uma declaração de que a Finlândia “deve solicitar a adesão à OTAN sem demora”. O Kremlin disse que a adesão da Finlândia à Otan seria uma ameaça para a Rússia e que a expansão do bloco militar liderado pelos EUA para o leste está minando a segurança na região.

- Publicidade Patrocinada -

“Eu não sou o tipo de pessoa que simplesmente escorrega na esquina”, disse Niinistö sobre seu esforço para discutir o assunto com Putin. “Vou ligar para ele e dizer que a situação mudou, como nós dois sabemos.”

Embora os líderes finlandeses e suecos tenham dito que a invasão da Ucrânia pela Rússia os forçou a repensar sua postura de segurança, eles agora estão procurando fazer uma das coisas que supostamente desencadearam o conflito atual: buscar a adesão à Otan. Em vez de colher o esperado dividendo da paz após o fim da Guerra Fria em 1989, a OTAN estendeu seu alcance até as fronteiras da Rússia, quebrando promessas contra a expansão para o leste. O bloco adicionou 14 novos membros desde 1999, e a Ucrânia e outra ex-república soviética, a Geórgia, se candidataram para fazer parte da próxima onda de expansão da Otan.

Os líderes russos argumentaram que ter membros da Otan e armas estratégicas instaladas na porta de seu país viola o princípio da “segurança indivisível”, o que significa que nem o bloco ocidental nem Moscou devem ter permissão para fortalecer sua própria segurança às custas da outra parte.

A Rússia atacou a Ucrânia após o fracasso do estado vizinho em implementar os termos dos acordos de Minsk, assinados pela primeira vez em 2014, e o eventual reconhecimento de Moscou das repúblicas de Donbass de Donetsk e Lugansk. O Protocolo de Minsk, mediado pela Alemanha e pela França, foi projetado para dar às regiões separatistas um status especial dentro do estado ucraniano. 

Desde então, o Kremlin exigiu que a Ucrânia se declarasse oficialmente um país neutro que nunca se juntará ao bloco militar da Otan liderado pelos EUA. Kiev insiste que a ofensiva russa foi completamente espontânea e negou as alegações de que planejava retomar as duas repúblicas pela força.

- Publicidade Patrocinada -

留言 DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui