Mundo não deve aceitar as consequências do tratamento de águas residuais nucleares do Japão

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, apontou nesta quarta-feira (14) que o oceano não é a lata de lixo do Japão e o Pacífico não é seu esgoto. O mundo não deve aceitar as consequências do tratamento de águas residuais nucleares da usina de Fukushima.

405

Zhao Lijian levou três perguntas ao Japão em uma coletiva de imprensa ao comentar a decisão de despejar águas residuais nucleares da usina de Fukushima no mar: o lado japonês realmente ouviu as dúvidas e preocupações no seu país e no exterior? A decisão do Japão está em conformidade com a lei internacional? As águas residuais nucleares que o Japão planeja despejar atendem ao padrão internacional?

Após a decisão do governo japonês sobre o tratamento das águas residuais nucleares, a Coreia do Sul expressou forte oposição. A Rússia disse que o Japão deve mostrar transparência e assumir responsabilidade e a União Europeia declarou que o país deve garantir a segurança absoluta da descarga de águas, ao mesmo tempo que cumpre integralmente as suas obrigações nacionais e internacionais.

A China exorta veementemente o lado japonês para assumir sua responsabilidade, seguir a ciência, cumprir suas obrigações internacionais e responder devidamente às sérias preocupações da comunidade internacional, dos países vizinhos e de seu próprio povo. Zhao Lijian pede ao Japão que avalie de novo a questão e evite descarregar as águas residuais arbitrariamente antes de chegar a um consenso com todas as partes envolvidas e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) por meio de consultas completas. A China se reserva no direito de ter novas reações, apontou o porta-voz.